Falando um pouco mais sobre ODONTOGERIATRIA

Dr. Fernando Luiz Brunetti Montenegro- Mestre e Doutor pela FOUSP( FLBM)

Jornalista Nathalia Said- Formadora de Conteúdo para ABO Nacional.(NS)

Versão integral da matéria publicada no Site da ABO-Nacional em 16/Fev/2017 link: http://www.abo.org.br/site/2017/02/16/odontogeriatria-uma-especialidade-em-expansao

NS: Quais problema bucais são mais diagnosticados na terceira idade?

FLBM) Os problemas mais incidentes são os periodontais(das gengivas e do osso de suporte), de cáries(especialmente interproximais e de raiz) e de negligência no cuidado com suas próteses(Muitos pacientes não as trocam a 30-40-50 anos) tanto totais com removíveis; mau hálito(pelo mau cuidado com a boca em geral )e implicações estéticas que afastam os idosos do vital contato social( dentes quebrados/ausentes ou mesmo sem usar qualquer prótese) ;é evidente que sinais de cânceres na cavidade bucal,geralmente como metástases de outros pontos do corpo podem ocorrer, e um dos problemas mais terríveis é a diminuição exagerada ou mesmo a ausência de um fluxo salivar significativo como temos nos mais jovens(e suas diversas implicações na cavidade bucal- como veremos a seguir)

NS- Quais medicamentos de uso frequente por idosos têm impacto significativo na sua saúde bucal?

FLBM Talvez o fármaco mais impactante na cavidade bucal seja o uso de bisfosfonados (em uma boca não preparada odontológicamente antes de começar a tomá-los). Mas idosos tendem a tomar remédios para diabetes,hipertensão,reumatismos para dores de diversas origens , para problemas cardíacos e antinflamatórios, cujo uso continuado leva à diminuição do fluxo salivar que altera e muito o meio bucal.A soma dos efeitos bucais individuais de tantos remédios(muitos idosos ingerem mais de 15 ou 20 diferentes medicamentos por DIA) prejudicam muito as condições bucais ,ainda mais se o idoso estiver acamado e sem qualquer informação preventiva bucal,tanto o próprio idoso como seus cuidadores nos diversos turnos de trabalho e também seus familiares.

NS- Muitos idosos sofrem de "boca seca". Este é um quadro esperado com o envelhecimento? Como podemos contornar este problema?

FLBM : Não ,este quadro ocorre com todos os idosos, mas é a hiposalivação fisiológica, ou seja, idosos comem menos que os jovens, logo o corpo precisa de menos saliva para o mesmo trabalho de preparo do bolo alimentar que tinha antes.Os idosos ,na prática nem percebem que isto ocorreu, pois é uma adaptação do corpo a uma situação clínica. Até aí,sem qualquer problema clinico destacável.

Mas acontece que idosos tendem a ter problemas de saúde diversos(citados na questão # 2) e assim começam a tomar medicamentos para amainar seus efeitos. Mas cada medico, em função da doença mostrada em consulta indica um fármaco diferente,adequado à doença desta consulta, e com o passar dos anos , a pessoa idosa chega a estes 15-20 remédios/dia citados acima. Dentre os efeitos COLATERAIS mais comuns destes medicamentos temos a hiposalivação(diminuição do fluxo salivar) e esta hiposalivação dos remédios diária e constante e mais a fisiológica, levam à critica e significativa diminuição do fluxo salivar com implicações como: mais restos de alimentos permanecem grudados nos dentes e entre eles, mucosas ficam secas e assim as próteses totais se soltam (o que pode levar a não usá-las e ter de mudar a dieta drasticamente -que pode levar a estados anêmicos graves), também a porção posterior da língua,onde tem as papilas gustativas não é limpada pela saliva e assim começam aumento no numero de bactérias e restos alimentares e assim o mau halito começa a aparecer, esta região posterior da língua não sendo limpa acaba, e num caso de pneumonia, ajudam a aumentar a chance de reinfecção pulmonar, pois cada vez que o paciente tosse ,as bactérias do pulmão acabam saindo pela boca(parte) e outra parte se alojando lá na mesma parte posterior da língua que já estava muito bem habitada por restos de alimentos e bactérias "de montão" e assim, as bactérias do pulmão começam a se procriarem e depois vão recontaminar o pulmão...

Mas esta região posterior da língua sem limpeza(não é só com a escova de dentes e sim com um limpador lingual de plástico que vai até lá atrás onde estão as papilas gustativas ) acaba por obliterar estas papilas e assim os paciente perde a percepção de gosto nos alimentos e coloca mais açúcar e mais sal nos alimentos e assim piora ,respectivamente,as condições das altamente incidentes diabetes e hipertensão na terceira idade.

Sem saliva volta a maior chance de caries e de quebras nos dentes ,bem como de problemas periodontais,que envolve a saúde gengival e a perda do osso de suporte de dos dentes.

Mucosas mais secas fazem com que as bases das próteses totais e das removíveis comecem a machucar as mucosas, fatos que não ocorreriam se houvesse a película de saliva entre elas.

Também menos saliva igual a alimentos menos mastigados, logo chegam ao sistema digestivo menos trabalhados pela saliva,gerando mais trabalho a estes órgãos.

A saliva também possuem diversos efeitos antimicrobianos e sua ausência dá margem a infecções oportunísticas aparecerem na boca , muitas por fungos, como a candidíase e o líquen plano.Mais um motivo para o idoso andar sempre com uma garrafa de água à mão pra evitar este ressecamento exagerado e patológico das mucosas da boca.E também junto a um médico geriatra buscar "enxugar" bastante o número de remédios ingeridos, claro, desde que preservando os mais importantes, mas estes cortes só podem ser realizados por um médico que analise todo o quadro clínico do indivíduo e jamais esta eliminação de remédios pode ser feito por um paciente ou seus familiares(que não sejam da área médica)

A sensação de boca seca mais grave é a mesma de se colocar aquelas farofas prontas de saquinhos direto dentro da boca...ou comer areia bem seca ....imaginem o impacto que isto causa nos idosos e na sua qualidade de vida !Acabam mudando sua dieta por si mesmos(sem qualquer orientação dietética) e isto leva muitos a graves graus de anemia. Bem ,há tanto a dizer disto ainda,mas, o espaço é curto....

NS: Em relação à saúde bucal do idoso que necessita do acompanhamento de um cuidador, quais medidas devem ser tomadas diariamente/regularmente?

FLBM:Informar ao Cuidador que medidas bucais realmente são necessárias naquele caso clinico. Não esquecer que cuidadores não receberam formação preventiva odontológica e por isto precisam conversar com um odontogeriatra idealmente ( com os cuidadores de todos os turnos,diga-se de passagem) para saberem o que deve ser feito no caso DAQUELE paciente que cuidam: Limpeza DETALHADA dos dentes, limpeza entre os dentes eficiente, limpeza das próteses, limpeza da língua(lá atrás !!com limpador lingual !!) e limpeza das mucosas e áreas desdentadas, Informações sobre dieta adequadas à preservação das estruturas bucais duras e moles devem ser repassadas a eles. Nunca devemos nos esquecer que cuidadores são pessoas abnegadas e com excelente boa vontade, mas eles sao tão desinformados odontologicamente (especialmente em aspectos preventivos) como a maioria de nossos pacientes ,como constatamos no dia-a-dia de nossos consultórios. Como são eles vão cuidar daquele idoso, eles PRECISAM ser informados POR NÓS , DENTISTAS/ODONTOGERIATRAS, de como as atividades preventivas devem ser feitas adequadamente naquele caso em particular. Sem exageros ou excessos de instrumentos de limpeza bucal e sim poucos mas EFICIENTES instrumentos de remoção da placa bacteriana.O uso adequado de escovas de dente,escovas interdentais ou fio dental e limpador de língua plástico é o quê devemos ter em mente. Mas todos bem ensinados nas características daquela boca a todos os envolvidos no cuidado àquele idoso(de todos os turnos,não esquecer "!)

NS- Às vezes, o idoso tem dificuldades para comunicar seus sintomas. Como é possível identificar o que está incomodando-o?

FLBM- Um cuidador bem atento nos ajuda e muito.Com o tempo ele acaba criando um "canal de comunicação não-formal " com o idoso impossibilitado de se expressar corretamente e isto é de suma importância para todos da área de saúde poderem intervir em suas áreas. Estes cuidadores -familiares ou profissionais- devem sempre estar em contato conosco e nós os ouvir com atenção.Visitas odontológicas mais frequentes ao consultório( ou de nós na casa deles ou na casa de repouso) ajuda a antever problemas e sair na procura de soluções com calma sem cair nas emergências, onde rumos errados podem ser tomados....pois aí teremos de apagar o "fogo" sem ter muito tempo de ver "todo o panorama" do caso. Um familiar bem atento e ligado o tempo todo(mas sem ser "apavorado"), ajuda muito no processo de analisar os casos antes das " bombas explodirem" com nossos queridos idosos

Leituras sugeridas:

BRUNETTI, RF,MONTENEGRO FLB. Odontogeriatria - Noções de interesse clínico. São Paulo:Ed.Artes Médicas, 2002, 481p.

MONTENEGRO FLB,MARCHINI L.Odontogeriatria:uma visão gerontológica.Rio de Janeiro:Ed.Elsevier,2013,360p

PROGER- Programa Atualização Gerontologia SBGG,Ciclo 2,vol 1, Porto Alegre,Edit Artmed, 2016 , p.99 a 150

Sites Sugeridos( também para pacientes e Cuidadores):

www.odontogeriatria.dr.odo.br- vários locais pelo Site.

www.portaldoenvelhecimento.com.br/odontogeriatria

www.jornaldosite.com.br/ ver matéria de odontogeriatria no Home