Montagem em mordida cruzada em próteses totais na Odontogeriatria:relato de caso clínico

Fernando Luiz Brunetti  Montenegro

 Mestre e Doutor na Universidade de São Paulo

Coordenador Curso Especialização Odontogeriatria no NAP INSTITUTO,SP.

Palestrante em  Odontogeriatria no Brasil e América Latina

 

Angelo Felipe Ciccuto

Especialista em Odontogeriatria pela Abeno/SP

Especialista em Radiologia, Ortodontia , Implantodontia pelo CROSP.

" Como publicado Rev Portal de Divulgação Mar 2015, 5(44):33-43.ISSN 2178-3454"

RESUMO

 

O propósito deste trabalho é mostrar o uso clínico de uma oclusão cruzada na solução protética de uma paciente idosa, bem como debater diversos pontos que dão sustentação a esta técnica de montagem dos dentes artificiais para preservação dos rebordos residuais devido à sua melhor distribuição da carga mastigatória.

 

 

PALAVRAS-CHAVE: Odontogeriatria,Oclusão, Montagem Cruzada

 

 

 

 

 

 

 

 

INTRODUÇÃO

 

A técnica de montagem de dentes numa prótese total em mordida cruzada é um recurso conhecido desde o final do século XIX(circa 1880) , quando o renomado dentista suiço Dr. Alfred Gysi e seus preceptores, já se  utilizavam este tipo de montagem  nos dentes posteriores ,especialmente nos casos de grande reabsorção óssea dos rebordos, visando à obtenção de uma eficiência mastigatória  maior,somada a um mínimo deslocamento das bases quando em função. Evidente era que naquela época não existiam ainda dentes específicos para este fim e diversos autores propunham soluções clínicas  diversas até com o  uso de 5 pré-molares de mordida normal montados em lados inversos ao normal , e com o passar dos  anos, Gysi acabou por criar dentes específicos para mordida cruzada, com detalhes anatômicos e de inclinação diferentes dos dentes  artificiais para oclusão posterior normal e que também não retiravam espaço para a movimentação da língua.

Da patente em 1914 até o artigo de referência nesta área  publicado no Dental Digest em 1927, o autor buscou difundir por todo o mundo odontológico os seus dentes artificiais desenvolvidos em conjunto com a Dentsply Co. (York,PA,USA),pois recriaram um novo padrão na solução oclusal dos casos de discrepâncias de tamanho  maxilo-mandibulares e de grandes reabsorções teciduais  que até então não existia disponível.

Em 1953, Hardy nos conta que fez um curso em 1928 com o próprio Gysi em Zurich(Suiça), e informa que este mostrou que 60% dos casos clínicos  dele, quando os rebordos inferiores estavam bem reabsorvidos ,tinham maior desempenho funcional das próteses com a montagem cruzada dos dentes posteriores, onde as cúspides vestibulares dos dentes superiores eram aplainadas e a contenção  centrica da mordida era obtida entre as cúspides linguais dos pré  e molares superiores com as  Iinguais  dos dentes inferiores, bem como a guia  incisal dos dentes para esta condição chegaria até 10 graus, perante os 33 graus  disponíveis em dentes de  mordida dita normal e ,também na proposta de Gysi, os  dentes artificiais para mordida cruzada  inferiores são 33% menores em largura enquanto os superiores chegavam a até 40% dos dentes artificiais de mordida normal  disponíveis no comércio.

Os dentes para próteses totais diferem muito dos dentes naturais com relação à firmeza  de  sua  fixação à mandíbula,de modo que formatos diferentes de dentes artificiais são necessários para ajudar a estabilidade das próteses durante a  mastigação e neste sentido ,o desenvolvimento de padrões oclusais especiais, de acordo com   Pleasure(1953) ,para as próteses totais visa a criação de um critério funcional,tanto na adaptação à base tecidual  como para evitar o deslocamento das próteses durante a função mastigatória, uma das maiores causas de reabsorção óssea excessiva  nos rebordos residuais com o passar dos anos.

Reforçando estas ideias, temos o pensamento de Silverman(1957) que afirma que não mais de 5% dos relacionamentos oclusais,em pacientes dentados, podem ser considerados normais e que um desdentado total ,onde a maioria dos indivíduos tem grande reabsorção óssea, especialmente no rebordo inferior, se torna fundamental que esqueçamos em parte as teorias  oclusais para bocas ditas " normais" e sempre pensemos que a oclusão é dinâmica, individualizada e sempre funcional, e dentre os recursos que existem, a montagem dos dentes cruzada é um excelente recurso para compensarmos as desarmonias oclusais que incidem em pacientes que sofreram grandes perdas ósseas, como ocorre nos que receberão próteses totais e o autor finaliza: "uma oclusão funcional  deve ser o ponto de encontro de todas as fases e especialidades da Odontologia"

 

Em um estudo com 4310 alemães saudáveis em 2004,Gesch et al., observaram,com análise de regressão logística múltipla,  que mesmo  com diversos fatores oclusais nocivos presentes em suas cavidades bucais, só uma pequena parte (n=0,3) vai desenvolver disfunções da  Articulação Têmporo-Mandibular(ATM)  e dentre estes fatores, a mordida cruzada(de dentes naturais entre si) não foi caracterizada  como real  indutora de sinais e sintomas nesta articulação, o quê coaduna com a ideia de funcionalidade aventada por Alfred Gysi no século passado. Enfocando agora a mordida cruzada lingualizada posterior, um tipo comum de maloclusão em crianças- e para quais casos existem muitas opções de tratamento ortodôntico,que não nos cabe citar agora-  mas sim ponderar as possíveis consequências de um não tratamento até a fase adulta dos indivíduos, Langberg et al(2005) estudaram  em mais de 300 indivíduos nesta condição e concluíram  que a mordida cruzada não tratada em crianças pode levar a uma compensação assimétrica progressiva do relacionamento condilo-fossa da ATM e resulta num desvio de posição da mandíbula,a qual, junto a uma assimetria dento-alveolar distinta, mantém a oclusão cruzada como bem tolerada até na idade adulta,o quê confirma sua adequação à funcionalidade mastigatória das pessoas.

Por isto que autores como O'Byn et al(1995) consideram que as mordidas cruzadas em adultos não devem ser corrigidas,porque já  ocorreu uma remodelação dentro da ATM,que não vai ser compensada com o simples reposicionamento ortodôntico  dos dentes na idade adulta, o quê mostra como este tipo de mordida  acaba integrado funcionalmente ao organismo dos indivíduos,apesar de ser classificado como uma maloclusão em pacientes dentados.

Goerger ,Tomkins(2005) mostram o uso dos dentes SR Orthotyp(criados em 1950 por R.Stark para a IvoclarVivadent,Schaan) em casos com condições oclusais críticas como  mordida profunda e cruzadas. Tais dentes possuem angulações cuspídeas e superfícies guias que permitem obter uma oclusão balanceada nestes casos mais extremos com reabsorções residuais variadas. Estes dentes possuem relacionamento cúspide-fossa reverso ao de uma normo-oclusão , dentes mais estreitos no sentido vestíbulo-lingual e maior base de fixação para a montagem e futura acrilização dos dentes e conseguindo um espaço mais adequado para a língua destes pacientes.Toda a técnica de montagem é mostrada em detalhada apostila fornecida por este fabricante, que muito elucida sua aplicação laboratorial para a uso em clínica,seja para próteses totais, removíveis extensas ou sobredentaduras.

 

RELATO DO CASO CLÍNICO

Uma paciente do sexo feminino com 69 anos, sem problemas de saúde geral que fossem influentes ao caso, apresentava grande reabsorção óssea dos rebordos ósseos e as próteses que realizou no passado não a satisfizeram,especialmente no quesito de estabilidade das bases ao mastigar alimentos mais consistentes e com certeza a grande diferença de tamanho entre a mandíbula e a maxila contribuía muito para esta não-funcionalidade das próteses antigas.A opção de correção cirúrgica foi descartada pela paciente,alegando " a idade em que estava e o incômodo que causaria no seu dia a dia".

Nossa opção, na clínica do Curso de Especialização em Odontogeriatria da Abeno-SP, foi o uso da montagem dos dentes posteriores seguindo a ideia de Gysi e preceptores  e no nosso caso, adaptando dentes de oclusão normal  a um perfeito ajuste oclusal e uma diminuição clara da mesa oclusal dos dentes  posteriores,perante os anteriores, assim como, dada à discrepância de tamanho entre maxila e mandíbula, se optou por montar apenas um molar no arco superior, mas que ocluía com dois molares inferiores,mantendo assim o poder mastigatório da paciente.(Figuras 1 e 2).

257-1257-2

A condição estética conseguida,em uma vista frontal,em  relação centrica  pode ser observada na figura 3

257-3

e pode se ter uma análise  lateral direita e esquerda das montagens em mordida cruzada para  este caso clinico nas figuras 4 e 5,

257-4257-5

com o bloco anterior superior e inferior montados no trespasse vertical   normal,dando excelente solução estética global para o caso.

A figura 6

257-6

mostra a visão interna do relacionamento intercuspídeo superior e inferior em mordida cruzada  em relação central e na qual se  preserva o  amplo espaço existente  para a língua da paciente.

A máxima intercupidação em RC das próteses montadas em cera pode ser observada na figura 7,

257-7

e na sequência das figuras 8 e 9 pode-se observar como ficaram as montagens em cera nos lado de trabalho direito(figura 8)

257-8

e o lado de trabalho esquerdo(figura 9)

257-9

, com  as estabilizações oclusais em balanceio concernentes

As próteses foram provadas em cera na boca da  paciente, receberam os ajustes necessários e foram enviadas para o laboratório de prótese para o  enceramento final e acrilização das mesmas.

Após estas fases laboratoriais, as próteses totais   foram instaladas na boca da paciente e isto pode ser observado na figuras  10

257-10

,onde temos elas em relação central, exatamente como foram observadas na montagem em cera no articulador.

O relacionamento no lado de trabalho direito  pode ser observado nas Figura 11

257-11

e o lado de trabalho esquerdo   pode ser visto na figura 12.

257-12

 Ambos os lados possuem contatos em balanceio posteriores nas cúspides linguais e palatinas  para estabilidade oclusal .

O caso terminado pode ser visto na figura 13

257-13

e é evidente o grau de satisfação da paciente,com um mínimo de sessões para ajuste posteriores à entrega..Controles anuais são indicados para verificação dos contatos oclusais e da condição de adaptação das bases aos rebordos.

 

 

Discussão

O uso da oclusão lingualizada é muito bem estabelecida atualmente,afirmam Phoenix,Engelmeier(2010) pois recuperam a função e a estabilidade de próteses totais com grandes reabsorções ósseas em suas bases e os autores salientam que muitas modificações na técnica ocorreram desde sua introdução no século XIX, mas sua essência continua a mesma até os dias atuais,graças às análises clínicas extensas feitas por Gysi e os que seguiram.

 Já com o uso de sensores eletrônicos em seis áreas pré-determinadas de análise da pressão transferida para o rebordo, Frechette(1961) montou em modelos montados em articulador, os dentes  superiores e inferiores numa condição de interdigitação cuspídea normal , em overbite e em  mordida cruzada. Simulou a mastigação de um alimento duro(amendoim grande mastigado em 30 ciclos para cada montagem) para ver a estabilidade das próteses  e pode concluir que  a presença de contato oclusais em balanceio ajuda a manter as próteses mais em sua posição e que, na montagem cruzada dos dentes,realmente o crista do rebordo, do lado esquerdo, recebe mais pressão que nas próteses com as outras montagens de dentes.

 

Após estudarem registros  articulados arcos desdentados  em 150 pacientes(96 homens e 54 mulheres,todos possuidores de  próteses totais) para mensurar a existência de mordida cruzada,os autores Sanghvi et al(1981) obtiveram uma incidência de mordida cruzada bilateral em  8,3% (homens) e 5,3(mulheres) num total de 11 casos(7,3 % do total) ; já a mordida cruzada observada foi dividida em direita ( com 8,3% dos homens e 18,5% das mulheres) num total de 18 casos(ou seja 12% de toda a amostra) enquanto a mordida cruzada esquerda foi a mais frequente(26,2 homens e 28% mulheres) com 40 casos que representam 26,6% do total da amostra.Estes dados se contrapõem  e muito aos baixos valores de incidência de mordida cruzada citados por Gesch et al(2004) em 4310 alemães dentados,talvez pelo nível social e da cobertura dos serviços de saúde dos países estudados.

 A perda da eficiência mastigatória dos idosos é comprovada nos usuários de próteses totais desta faixa etária por Ikebe et al(2006) com uma amostra de 850 idosos japoneses  quando comparados a idosos sem próteses totais(com a maior parte de sua dentição natural presente) através de 3 métodos práticos  e  concluem que a perda de força de mordida não é um fenômeno  característico do envelhecimento saudável  e sim mais frequente em usuários de próteses totais ,que quanto mais antigas, mais perdem eficiência mastigatória, o quê prejudicará uma nutrição adequada nesta fase da vida. Nos casos de grandes perdas ósseas nos rebordos inferiores indicam a montagem cruzada dos dentes como um bom meio de resgatar a função mastigatória perdida por dentes artificiais desgastados e bases desadaptadas de seus rebordos.

É seguindo esta linha de pensamento acima, que Cunha,Marchini(2014) afirmam que nos casos de rebordos inferiores muito reabsorvidos  uma montagem com cúspides mais aplainadas e fossas menos profundas, propicia menor transmissão da carga mastigatória à crista do rebordo,diminuindo assim a RRR(reabsorção do rebordo residual),preservando por mais tempo a estrutura óssea de suporte;os autores também pontuam que cúspides mais altas,com pontas bem definidas tendem a travar em alguma forma o movimento de lateralidade mandibular dos pacientes desdentados , por isto um arredondamento das superfícies articulares,apesar de diminuir a eficiência mastigatória ideal para alimentos mais fibrosos, com certeza transmite menor carga aos rebordos residuais, retardando sua reabsorção.

A liberdade dos movimentos mandibulares e a existência de múltiplos contatos excêntricos são esperados como ideais em uma prótese total com  oclusão adequada, mas isto só se consegue em situação onde não ocorra uma intercuspidação profunda entre os dentes superiores e inferiores e a isto(somado à  angulação diferenciada de dentes superiores e inferiores)  Curtis et al(1988) chamam  de montagem cruzada dos dentes posteriores sendo este critério válido quando o reabordo está muito reabsorvido, como ocorre nas próteses totais e  nas próteses parciais removíveis  de Classe I(Kennedy) ou com poucos dentes remanescentes.

Também concordam com este tipo de oclusão os autores voltados para a Odontogeriatria Brunetti,Montenegro(2002) que salientam a importância, especialmente nas próteses inferiores de se buscar dividir a carga mastigatória pelo máximo de área do rebordo e assim minimizando o risco de reabsorção óssea em alguns pontos mais sobrecarregados pela montagem dita normal dos dentes posteriores. Os autores indicam, tanto para próteses totais como para próteses parciais removíveis e nas overdentures(sobredentaduras) apoiadas em raízes  ou dentes naturais.

 

Por outro lado, Magalhães Filho et al(1995) buscaram comparar a montagem cruzada de Gysi com a montagem vestibularizada dos dentes proposta pelos autores para suplantar os casos de disparidade de tamanho entre os rebordos superiores e inferiores  e puderam concluir que os pacientes se adaptaram muito bem à montagem  vestibularizada  dos dentes em prótese total e somente  em poucos casos, surgiu a necessidade de desgaste nos dentes que incomodavam os tecidos moles vizinhos e que pequenos ajustes resolveram, e afirmam que esta técnica ajuda a superar as restrições da montagem  cruzada de Gysi,especialmente onde um espaço adequado para a língua é notável.

O caráter multifatorial de problemas envolvidos na adaptação às próteses totais  inferiores ,segundo Murrell(1974), obriga  o profissional a conhecer as diversas técnicas de se confeccionar estes trabalhos( inclusive do uso de próteses provisórias- "prótese de tratamento"-  bem contorneadas para se  readequar os tecidos moles à futura prótese definitiva) ,tanto clínica como laboratorialmente, para  ter capacidade para mudar andamento do caso durante sua realização e adaptação do paciente às novas próteses.No campo da montagem dos dentes ,propõe a oclusão posterior lingualizada com uso dos dentes superiores  posteriores com inclinação de 33 graus e os inferiores opostos com 20 graus, para que ocorra uma  concentração de forças entre as cúspides palatinas superiores e as fossas centrais dos inferiores ,com as cúspides vestibulares sendo aplainadas para permitir movimentos de lateralidade sem percalços , o quê aumenta a estabilidade geral das próteses quando  em função.

Ashy,Sukotjo(2013)  apresentaram um caso multidisciplinar de grande discrepância de tamanho entre a mandíbula e a maxila existia.Face à gravidade do caso, um planejamento com auxilio de computador foi feito com um par de próteses totais de estudo com montagem cruzada dos dentes posteriores ; optou-se pela cirurgia de redução cirúrgica da maxila e  fixação bilateral fragmentos;  o rebordo inferior,pela projeção efetuada, foi diminuído de forma a ficar de tamanho compatível com a maxila.Novas próteses totais foram iniciadas depois da mandíbula estar cicatrizada e com movimentações laterais  adequadas. Novamente optou-se pela montagem cruzada dos dentes posteriores em nome de uma maior estabilidade funcional das próteses  na boca. No controle de um ano, tudo estava funcionando adequadamente, inclusive na manutenção do acerto oclusal realizado inicialmente

Como geralmente a mandíbula é projetada para a frente em pacientes usuários de próteses totais há várias décadas,nas quais os dentes artificiais estão muito desgastados, é preciso,segundo Soufou et al(1993), que se busque em primeiro lugar, levar a mandíbula de volta para sua posição mais retruída e mais certa ela estaria se análises  cefalométricas fossem feitas da relação maxilomandibular ,indicando precisamente o quanto deveria ser retruída esta mandíbula para somente depois serem realizadas novas próteses. Os autores optaram por fazer  bases muito bem adaptadas,mas só com os dentes anteriores montados, estando todos os posteriores como um bloco liso de resina,mas que permitia uma fácil movimentação mandibular. No prazo de até 21 semanas, nos 12 pacientes considerados, as mandíbulas retornaram às posições indicadas e aí novas próteses,com dentes posteriores montados e forma cruzada, para manter um bom deslocamento latero-lateral da mandíbula como existia quando dos blocos resinosos posteriores ; os autores alegam que só a montagem cruzada dos posteriores propicia esta liberdade da mandíbula, e mantém a posição de trabalho, pois há um bom entrosamento cúspide -sulco dos dentes artificiais.

Finalizando, Montenegro,Marchini(2013) corroboram a validade do uso da oclusão cruzada nos casos de grandes reabsorções dos rebordos, tanto em próteses totais como em removíveis extensas e atualizam o assunto, viabilizando a indicação deste tipo de oclusão em overdentures implantosuportadas em nome da preservação tecidual e da própria sobrevida dos implantes ósseointegrados quanto a uma melhor distribuição da carga mastigatória entre os suportes e o rebordo residual.

 

CONCLUSÃO

A indicação desta técnica é particularmente útil nas soluções oclusais em casos de discrepâncias acentuadas de tamanho maxilo-mandibular e a preservação de um bom espaço para a língua  e sua longa aplicação na prática de prótese total buscou ser reanalisada e fundamentada neste artigo .

 

 

 

REFERÊNCIAS

Gysi  A.Special teeth for cross-bite cases. Dent Digest  1927 Spec issue; 33: 167–171.

US Patent no.834,901.October 15,1918.Artificial teeth for cross bite.

Pleasure MA.Anatomic versus non-anatomic teeth.J Prosthet Dent Nov 1953,3(6):747-54.

Gesch D,Bernarhardt O,Kocher T,John U.Association of malocclusion and functional occlusion with signs of temporomandibular disorders in adults of Pomerania.Angle Orthod Aug 2004,74(4):512-20.

Hardy IM.The developments in  tre occlusal patterns of artificial teeth. J.Prosthet Dent Jan-Mar 1951,1(1-2): 14-28.

Silverman MM.Centric occlusion and jaw relations and fallacies of current concepts.J.Prosthet Dent Nov 1957,7(6):750-69.

Langberg BJ,Arai K,Miner RM.Transverse skeletal and dental asymmetry in adults with unilateral lingualized posterior crossbite.AmJ Orthod Dentofac Orthop Jan 2005,127(1):6-15.

O'Byn BL,Sadowsky C,Schneider B.An evaluation of mandibular asymmetry in adults with unilateral posterior crossbite.Am J Orthod Dentofac  Orthop Apr  1995,107(4):394-400

  Goerger S,Tomkins N.Deep and crossbite(class II and class III) Ivoclar Public,technical data,Schaan,2005,1-28 p.

Phoenix RD,Engelmeier RL.Lingualized occlusion revisited.J Prosthet Dent   Nov 2010,104(5):342-6.

Frechette AR.Complete denture stability related to tooth position.J Prosthet Dent  Nov-Dec 1961,11(6):1032-7.

Sanghvi SJ,Bhatt NA,Bhanava K.An evaluation of cross bite ridge relationships.J Prosthet Dent  Jan 1981,45(1):24-9.

Ikebe K,Nobuki T,Morii K, Kashiwagi J.Association of bite force with ageing and occlusal support in older adults.J Dent  Feb 2006,33(2):131-7.

Cunha VPP, Marchini L.Prótese total contemporânea na reabilitação oral,2a ed,Santos Edit,Sao Paulo,2014,246 p.

Curtis TA,Langer Y,Curtis DA,Carpenter R.Occlusal considerations for partially or completelly edentulous skeletal class II patients.J Prosthet Dent  Sep  1988,60(3):334-42.

Brunetti RF,Montenegro FLB.Odontogeriatria:noções de interesse clínico.Artes Medicas Edit,Sao Paulo, 2002,498p.

Magalhães Filho O,Tamaki T , Tamaki S T.Montagem dos dentes artificiais em casos de disparidade entre os rebordos superiores e inferiore.Rev Odontol Univ Sao Paulo Jan-Mar  1995,9(1):59-64.

Murrell GA.The management of difficult lower dentures. J Prosthet Dent  Sep  1974,32(3):243-50.

Ashy LM,Sukotjo C.Prosthodontic and surgical management of a edentulous patient with a severe  class III  skeletal maxillomandibular relationship.A  clinical report.J Prosthod Aug 2013,22(6):490-4.

Soufou AM,Mordohai ID,Emmanouel J,Pissiotis AL.Using cephalometry to evaluate maxilomandibular relationship and help complete dentures construction. Int J Prosthod   Nov-Dec 1993,6(6):540-5.

Montenegro FLB,Marchini L. Odontogeriatria: uma visão gerontológica.Elsevier Edit,Rio de Janeiro,2013,338 p.

Nota  dos autores: Queremos externar nosso profundo pesar com o passamento do querido  Prof. Titular Tadachi Tamaki, nosso preceptor na Pós-Graduação da FOUSP. Seu conhecimento e dedicação à Área é digno de menção e sua lembrança existirá até o dia de nossa passagem a um outro plano de vida.Gostaríamos de ter podido mostrar este modesto trabalho ao próprio com ele na ativa nos saudosos  barracões da Odontologia da USP.

 

LEGENDAS:

 

Figura 1- Montagem em cera do arco superior. Destaque para montagem até 1o molar,face ao diminuto tamanho da maxila.

 

Figura 2- Montagem dos dentes  do arco inferior em cera. Ao comparar figuras 1 e 2, fica  notável a diferença de tamanho entre  a maxila e a mandíbula,uma das razões de indicação da técnica.

Figura 3-  Oclusão e estética em Relação Central no Articulador

Figura 4-Vista direita dos modelos montados em cera em RC.

Figura 5 - Vista esquerda dos modelos montados em cera em RC

Figura 6- Vista interna dos arcos para mostrar a intercuspidação obtida. Ver o espaço amplo obtido para a língua com este tipo de montagem.

Figura 7- Máxima intercuspidação dos modelos em Relação Central.

Figura  8 - Visão direita do lado de trabalho  das próteses  montadas em cera.

Figura 9 - Visão esquerda do lado de trabalho das próteses montadas em cera.

Figura 10 -  Entrega da Prótese, mostrando as próteses  em relação central na boca.

Figura 11- Vista do lado de trabalho direito das próteses em prova na boca.

Figura 12-  Vista do lado de trabalho esquerdo das próteses acrilizadas em prova na boca da paciente.

 

Figura 13- Estetica final obtida e  a satisfação da paciente, com um mínimo de ajustes posteriores realizados.