LANÇAMENTO livro de odontogeriatria no Brasil e America Latina

LANÇAMENTO livro de odontogeriatria no Brasil e America Latina

Odontogeriatria - uma visão gerontológica (1ª edição), de Fernando Luiz Brunetti Montenegro e Leonardo Marchini,.....

Read more

Alongamento para a terceira idade

Alongamento para a terceira idade

Com uma sequência de exercícios muito simples, dá para movimentar diariamente o corpo todo, evitando, ou pelo menos.....

Read more

Diabete pode aumentar risco de demência em 50%

Diabete pode aumentar risco de demência em 50%

A diabete pode aumentar o risco de Alzheimer e outros tipos de demência em até 50%, aponta relatório anual sobre a.....

Read more

Estudo aponta relação entre soníferos e risco de Alzheimer

Estudo aponta relação entre soníferos e risco de Alzheimer

A utilização de certos soníferos e tranquilizantes da família das benzodiazepinas por longos períodos pode aumentar.....

Read more

Pesquisa mostra que 87% dos adultos têm medo de chegar à 3ª idade

Pesquisa mostra que 87% dos adultos têm medo de chegar à 3ª idade

Especialistas dizem que, para quem já é idoso, a principal angústia se torna a solidão Mudanças no corpo, típicas da.....

Read more

ESGOTADA a edição do livro pioneiro de Odontogeriatria no Brasil e América Latina

ESGOTADA a edição do livro pioneiro de Odontogeriatria no Brasil e América Latina

Odontogeriatria -noções de interesse clínico de Ruy Fonseca Brunetti e Fernando Luiz Brunetti Montenegro

Read more

Odontogeriatria

Odontogeriatria

Uma importante área para um envelhecimento saudável O envelhecimento da população é um dos maiores triunfos da.....

Read more

Ondina Lobo

Ondina Lobo

VEJA O VÍDEO A Casa dos Velhinhos de Ondina Lobo é uma entidade assistencial sem fins lucrativos e considerada de.....

Read more

Diabete pode aumentar risco de demência em 50%

A diabete pode aumentar o risco de Alzheimer e outros tipos de demência em até 50%, aponta relatório anual sobre a doença divulgado ontem pela ADI (Alzheimer’s Disease International), organização internacional que reúne associações atuantes no tema. O informe, lançado por ocasião do Dia Mundial do Alzheimer, ressalta a importância do controle dos fatores de risco evitáveis, geralmente associados aos hábitos de vida. Isso porque, segundo o documento, não é apenas a genética, o envelhecimento e o nível de atividade intelectual que contribuem para o aparecimento da doença.
 
O relatório diz que “o controle da diabete e da hipertensão arterial, assim como medidas que promovam o fim do tabagismo e a redução do risco cardiovascular, têm potencial para reduzir o risco de demência”.
 
Exercício físico previne perda de memória
 
Coordenadora do ambulatório de demência moderada e avançada do serviço de geriatria do Hospital das Clínicas, Lilian Schafirovits Morillo explica que existem duas frentes de conexão entre diabete e Alzheimer.
 
— A frente direta é que existem receptores de glicose e insulina em áreas do cérebro responsáveis pela memória. O excesso de glicose e de insulina, decorrente da diabete, pode danificar essas regiões do cérebro. De forma indireta, podemos dizer que a diabete, a hipertensão, a obesidade, o sedentarismo e o cigarro afetam as artérias do cérebro, o que piora um quadro de neurodegeneração.Apesar da importância do controle desses fatores de risco, números apresentados no relatório mostram que a maioria da população não conhece a relação entre o Alzheimer e essas doenças. Apenas um quarto (25%) das pessoas associam a obesidade a um risco aumentado de demência.
 
A relação entre atividade física e a redução do desenvolvimento do Alzheimer só é reconhecida por 23% das pessoas.O controle de diabete, hipertensão e outros fatores de risco é apontado pelo relatório e por especialistas como estratégia bem-sucedida dos países ricos na prevenção do Alzheimer.
 
Segundo o documento, há evidências de que a incidência de demência parece estar caindo nos países mais desenvolvidos, enquanto sobe nos países de média e baixa renda, como o Brasil.Para o conselheiro da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia Rubens de Fraga Júnior, isso acontece porque os países menos desenvolvidos não têm estrutura eficaz no controle das doenças crônicas que atuam como fatores de risco para o Alzheimer.
 
— Essa relação entre os dois problemas deve nortear as políticas públicas. Assim como os países ricos já fazem, temos de focar a prevenção do Alzheimer no controle dos fatores de risco evitáveis.