LANÇAMENTO livro de odontogeriatria no Brasil e America Latina

LANÇAMENTO livro de odontogeriatria no Brasil e America Latina

Odontogeriatria - uma visão gerontológica (1ª edição), de Fernando Luiz Brunetti Montenegro e Leonardo Marchini,.....

Read more

Alongamento para a terceira idade

Alongamento para a terceira idade

Com uma sequência de exercícios muito simples, dá para movimentar diariamente o corpo todo, evitando, ou pelo menos.....

Read more

Diabete pode aumentar risco de demência em 50%

Diabete pode aumentar risco de demência em 50%

A diabete pode aumentar o risco de Alzheimer e outros tipos de demência em até 50%, aponta relatório anual sobre a.....

Read more

Estudo aponta relação entre soníferos e risco de Alzheimer

Estudo aponta relação entre soníferos e risco de Alzheimer

A utilização de certos soníferos e tranquilizantes da família das benzodiazepinas por longos períodos pode aumentar.....

Read more

Pesquisa mostra que 87% dos adultos têm medo de chegar à 3ª idade

Pesquisa mostra que 87% dos adultos têm medo de chegar à 3ª idade

Especialistas dizem que, para quem já é idoso, a principal angústia se torna a solidão Mudanças no corpo, típicas da.....

Read more

ESGOTADA a edição do livro pioneiro de Odontogeriatria no Brasil e América Latina

ESGOTADA a edição do livro pioneiro de Odontogeriatria no Brasil e América Latina

Odontogeriatria -noções de interesse clínico de Ruy Fonseca Brunetti e Fernando Luiz Brunetti Montenegro

Read more

Odontogeriatria

Odontogeriatria

Uma importante área para um envelhecimento saudável O envelhecimento da população é um dos maiores triunfos da.....

Read more

Ondina Lobo

Ondina Lobo

VEJA O VÍDEO A Casa dos Velhinhos de Ondina Lobo é uma entidade assistencial sem fins lucrativos e considerada de.....

Read more

Pesquisa mostra que 87% dos adultos têm medo de chegar à 3ª idade

Especialistas dizem que, para quem já é idoso, a principal angústia se torna a solidão
 
Mudanças no corpo, típicas da terceira idade, são motivo de apreensão para a maioria dos adultos. De acordo com pesquisa feita nos Estados Unidos, 87% das pessoas têm medo de envelhecer. Entre os temores mais comuns, está o de perder a capacidade física: cerca de 23% dos voluntários disseram ficar apavorados com a ideia. Porém, especialistas dizem que, para quem já é idoso, a principal angústia se torna a solidão.
 
No levantamento norte-americano, em seguida aparecem os medos de perder a memória, ganhar menos dinheiro, desenvolver uma doença crônica e morrer. Mais de duas mil pessoas com pelo menos 18 anos de idade responderam a pesquisa online, a pedido do laboratório Pfizer. 
Segundo o presidente da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, João Bastos Freire Neto, o resultado do estudo coletado nos EUA pode ser aplicado à realidade brasileira de uma maneira geral. “Isso é universal. O ser humano tem medo de sofrer e de se sentir incapaz, o que para muitos é pior do que a morte”, explica o especialista. 
Esse sofrimento está ligado à visão que as pessoas ainda têm dos mais velhos. De acordo com o médico, para muitos, envelhecer significa depender dos outros obrigatoriamente. Porém, ele explica que, com o aumento da população acima dos 60 anos, a tendência é que esse olhar mude. Para isso, porém, é preciso que as autoridades invistam na melhor qualidade de vida e na inserção dos idosos na sociedade, como por exemplo, deixar os lugares realmente acessíveis a eles. 
Tornar o envelhecimento saudável possível é o maior desejo dos pacientes e o grande desafio de especialistas. Entre os conselhos, Freire Neto acredita que cuidar da alimentação, fazer exercícios e principalmente manter uma ‘agenda’ com atividades diárias são fundamentais para ser feliz também na terceira idade.
 
Solidão, a dor de quem já chegou lá 
Apesar de os adultos se preocuparem com a conta bancária e com as doenças crônicas no futuro, a causa de tormento para os idosos é outra, bem diferente. No consultório, o geriatra garante que a queixa mais comum entre seus pacientes é o medo da solidão, capaz de “matar aos poucos”. “É importante construir um patrimônio social e não só material ao longo de toda a vida”, diz. 
Laços afetivos em diferentes grupos como, por exemplo, na família, na igreja e em ativdades como aa dança, são fundamentais para ‘espantar’ a depressão e a sensação de solidão, aconselha Freire Neto. Segundo a pesquisa americana, 62% das mensagens publicadas no Twitter sobre envelhecimento, no último ano, tiveram teor negativo.